paykasa bozum
 Portifolio

Pró-Saúde / Pet-Saúde

Portifolio

Unidade de Tratamento de Acidente Vascular Cerebral

 

O Hospital Risoleta Tolentino Neves possui uma Unidade de Tratamento de Acidente Vascular Cerebral, esta foi palco e fonte inspiradora de grande parte das atividades e ações desenvolvidas pelo grupo tutorial do PET-Saúde da rede de urgência e emergência durante o segundo semestre de 2012 e o primeiro semestre de 2013. Durante este período o grupo verificou a demanda de se orientar ainda mais do que já é acontece com pacientes e cuidadores a respeito da importância de se procurar atendimento médico diante da percepção de qualquer sintoma de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).  Dessa forma, o segundo semestre de 2013 proporcionou a oportunidade e o desafio de se buscar a solução para um grande problema: como orientar pacientes e acompanhantes de forma eficaz a procurarem de forma imediata o atendimento médico diante da suspeita de AVC. O grupo tutorial optou por elaborar uma cartilha que contivesse informações relevantes e que pudesse ser compreendida por todos. A partir da escolha do que deveria ser elaborado, iniciou-se a fase de formulação do material. Foram muitas tentativas até que fosse alcançada a versão final que contém, além de textos, imagens ilustrativas. O conteúdo fala do que é um AVC, como identificá-lo, o que se fazer ao se reconhecer um, quais são os fatores de risco e como evitar a ocorrência de um AVC. As imagens escolhidas ilustram, cada uma, um ou outro sintoma; a cartilha também contém o nome da instituição. Com a conclusão desta etapa a perspectiva do grupo é passar à fase de orientação e de entrega de cartilhas propriamente dita aos pacientes que derem entrada na Instituição. O foco principal de todo o trabalho, portanto, consiste em diminuir a demora prejudicial e em alguns casos fatal verificada em inúmeros casos ao se buscar atendimento hospitalar na presença de sintomas como hemiparesias, afasias, perda repentina da visão, confusão mental injustificada.

PET Redes Urgência e Emergência - IAM

Autor: Flávia Leão Carvalho

 

O PET Redes Urgência e Emergência, cujos cenários de prática são a UPA Venda Nova e o Hospital Risoleta Tolentino Neves (HRTN), segue linhas de pesquisa distintas, de acordo com as prioridades estabelecidas pelo Ministério da Saúde. Meu grupo, sobre orientação da tutura Ciomara Maria Pérez Nunes e preceptora Andressa Reis Werneck, tem como tema principal a entidade Infarto Agudo do Miocárdio (IAM). O objetivo de nosso estudo é traçar o perfil dos pacientes com IAM no HRTN.

Durante o 2º semestre de 2013, fizemos um banco de dados com todos os pacientes internados no Hospital Risoleta Tolentino Neves no período de 01/07/2013 até 13/11/2013. Foram analisados 37157 internações, dentre as quais, 105 apresentaram classificação pelo CID e quadro clínico compatível com Infarto Agudo do Miocárdio. Tendo concluído a coleta de dados, iniciaremos um estudo epidemiológico dessa entidade, dentre as outras prevalentes no HRTN. Faremos também análises estatísticas sobre a prevalência de IAM em cada sexo, faixa etária, presença de comorbidades associadas, procedência dos pacientes, tempo de hospitalização e desfecho dos casos.

 

Identificação de experiências medicamentosas em pacientes com AVE: controvérsias entre automedicação e não adesão.

 

Autores: Ana Carina Breunig Nunes; Josiane Moreira da Costa, Tatiana Chaves; Ciomara, Ciomara Maria Pérez Nunes, Michelle Karina Silva, Shirley Iara da Silva Veiga, Andressa Reis Werneck.

Com o objetivo de dar continuidade às ações desenvolvidas em 2012 e no 1° semestre de 2013, a equipe PET do HRTN realizou a identificação de aspectos relacionados à segurança no uso de medicamentos nos pacientes com AVE. Essa foi uma demanda identificada pelos bolsistas PET no processo de acompanhamento das atividades e reconhecimento do setor AVE do HRTN, em 2012 e 2013. Para isso, optou-se pela aplicação de questionários semiabertos a pacientes internados com hipótese diagnóstica de AVE, e realização de consulta em prontuários informatizados. A idade média dos usuários que participaram da pesquisa foi de 66,5 anos.  Pacientes em uso de medicamentos crônicos corresponderam a 78,3% (123), sendo que 132 (83,6%) se disseram aderentes ao tratamento. Além disso, 46 (29,3%) pacientes afirmaram se automedicar no momento do episódio de AVC, ressaltando-se que a solução de bicarbonato com limão foi a mais utilizada. Ressalta-se que problemas de adesão e automedicação são relevantes problemas de saúde pública, e podem contribuir para o índice de reinternações recidivas dos episódios de AVE.  A próxima fase consistirá em desenvolver ações educacionais e de mensuração da adesão à farmacoterapia.

 

 

Aprendendo sobre a Produção de Pesquisa e o uso da Metodologia Qualitativa aplicada à Saúde

Autores: Ciomara Maria Pérez Nunes; Erickson Ferreira Gontijo; Gabriela de Oliveira; Joice Fernanda Gomes Costa; Michelle Karina Silva;

Durante os meses de Outubro e Novembro de 2013 estivemos empenhados na produção de um trabalho para Semana do Conhecimento da UFMG. Para tanto, fizemos muitas horas de discussão e revisão de textos científicos sobre metodologias qualitativas e escrita científica. Além disso, por via de uma atividade diretiva, organizamos, analisamos e categorizamos todo o material de entrevistas realizadas com usuários dos serviços de saúde Hospital Risoleta Tolentino Neves e Unidade de Pronto Atendimento- Venda Nova, estas entrevistas foram realizadas por nosso grupo de trabalho. 

Seguindo essa lógica, na primeira etapa, fizemos a construção de uma perspectiva de trabalho e intervenção nesses cenários de Urgência e Emergência  com intuito de determinar qual era o perfil do usuário do Sistema Único de Saúde – SUS nesses locais (HRTN e UPA-Venda Nova) e quais eram suas dúvidas, questionamentos e opiniões mais recorrentes.

A atividade de conhecimento/reconhecimento do cenário de Urgência e Emergência, bem como das demandas dos usuários levaram a construção de inúmeros ganhos acadêmicos. Deve-se ressaltar o ganho na habilidade de escuta do outro, sem condicioná-lo e sem inferir informações a respeito do seu discurso, fator de extrema relevância para a formação de futuros profissionais da saúde, a atividade realizada por acadêmicos de cursos distintos gerou um grande ganho para a capacidade de obter novas informações e formas de interpretar as diversas situações vividas.

Alem disso, os acadêmicos foram expostos a situações cotidianas nos cenários de atendimento o que gera conclusões a respeito de novas demandas, podendo no futuro resultar em novas ações, este ganho foi devido, principalmente, a oportunidade de atuar na prática característica fundamental do PET-Saúde. Segundo os acadêmicos Gabriela e Erickson, dos cursos de fonoaudiologia e medicina respectivamente, a experiência do PET-Saúde tem sido “bastante desafiadora; por meio do PET-Saúde podemos identificar problemas e propor soluções para o sistema, nossas idéias podem ser aplicadas em curto prazo”.

Modelo de Subprojeto: files/Matria_e_Subprojeto_PET_Sade_MODELO_DE_SUBPROJETO.pdf

 

Estudos dos perfis de riscos dos pacientes da “Urgência e Emergência”

Através do projeto Pró - PET - Saúde: “Urgência e Emergência” do Hospital Risoleta Tolentino Neves e UPA- Venda Nova, foram estabelecidos alguns perfis de riscos de pacientes. Os perfis de riscos que destacamos para nosso estudo foram: o Trauma Raqui-medular, o Infarto Agudo do Miocárdio, o Acidente Vascular Encefálico e o Trauma Pediátrico. Onde para um melhor estudo foi separado em grupos de pesquisa em relação aos perfis apresentados, em busca de conhecer as causas, consequências e complicações dessas patologias em relação à comunidade, a fim de determinar medidas de prevenção e conscientização para os mesmos.

O grupo de pesquisa relacionado aos perfis de pacientes com Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), realizou uma pesquisa para análise de casos desta patologia através da revisão de prontuários de pacientes com CID compatível ao IAM no Hospital Risoleta Tolentino Neves, assim foram encontrados 103 casos confirmados. Posteriormente, com esses dados, foi criada uma planilha com os casos confirmados de IAM. Onde observamos que há predominância no sexo masculino (63,1%), com faixa etária entre 50 a 59 anos (30,09%), provenientes de Belo Horizonte e Região Metropolitana, e, que grande parte dos pacientes apresentam Hipertensão Arterial Sistêmica (80,58%).

A partir dos dados apresentados na pesquisa de casos do IAM iremos iniciar a comparação destes dados com o quadro geral do hospital e a comparação entre os próprios casos de IAM. Assim, poderemos determinar os perfis relacionados ao IAM, buscando futuras intervenções que visam a prevenção e conscientização da comunidade atendida.

 

Deijanira Rocco de Souza

Busca Rápida

Busca Rápida

Eventos

? Nenhum evento encontrado